quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Chapeuzinho Vermelho


Certo dia, a mãe de uma menina mandou que ela levasse um pouco de pão e leite para a sua avó. Quando caminhava pela floresta, um lobo aproximou-se e perguntou-lhe onde ia.

- Para a casa da vovó.
- Por qual caminho, o dos alfinetes ou das agulhas?
- O das agulhas.

O lobo seguiu pelo caminho dos alfinetes e chegou primeiro à casa. Matou a avó, despejou seu sangue numa garrafa, cortou a carne em fatias e colocou numa travessa. Depois, vestiu sua roupa de dormir e deitou-se na cama, à espera.
Pa, pam.
-Entre, querida.
- Olá, vovó. Trouxe um pouco de pão e leite.
- Sirva-se também, querida. Há carne e vinho na copa. A menina comeu o que foi oferecido, enquanto um gatinho dizia: "menina perdida! Comer a carne e beber o sangue da avó!"
Então, o lobo disse:
- Tire a roupa e deite-se comigo.
- Onde ponho o meu avental?
- Jogue no fogo. Você não vai precisar mais dele.
Para cada peça de roupa(...)a menina fazia a mesma pergunta, e a cada vez o lobo respondia:
- Jogue no fogo...(etc.).
Quando a menina se deitou na cama, disse:
- Ah, vovó! Como você é peluda!
- É para me manter mais aquecida, querida.
- Ah, vovó! Que ombros largos você tem!
(etc., etc., nos moldes do diálogo conhecido, até o clássico desfecho):
- Ah, vovó! Que dentes grandes você tem!
- É para comer melhor você, querida!!!
E ele a devorou.

(Primeira versão do conto da Chapeuzinho Vermelho)

e Perrault já dizia...

Vemos aqui que as meninas e, sobretudo, as mocinhas lindas, elegantes e finas, não devem a qualquer um escutar. E se fazen-no, não é surpresa, que do lobo virem jantar. Falo "do" lobo, pois nem todos eles são de fato equiparáveis. Alguns são até muito amáveis, serenos, sem fel nem irritação. Esses doces lobos, com toda a educação, acompanham as jovens senhoritas pelos becos afora e além do portão. Mas ai! Esses lobos gentis e prestimosos são,entre todos, os mais perigosos.

Fonte: Fadas no divã: Psicanálise nas Histórias Infantis(Diana Lichtenstein Corso, Mário Corso).

P.S. O negócio é ficar esperta ou cair de boca no "Seu Lobo" também...
Para meus futuros filhos vou contar a versão dos Irmãos Grimm. rs

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Preto e branco com carmim.



PRETO E BRANCO COM CARMIM

Ela estava deitada no quarto, sonhando com mil amantes
quando foi carregada pelo cortejo dos elefantes.

E finalmente viu-se feliz, pois estava de Chanel
pelas ruas de Paris.

Quer ser atriz ou poetisa!
Só não atua e nem escreve...
(aí reclama que não se realiza...)

Gosta mesmo é de dar risada, filosofar até perder o sentido,
acabar-se nos cartões de crédito devorando salto-alto colorido!
Não quer ser proletária nessa republiqueta de bananas,
quer mesmo é a carga horária no Jockey Club com as damas!

Devora o Nietzsche pela casa
altas horas da madrugada!
E ela vai para além do bem e do mal, como se fosse ali na esquina
dar uma simples caminhada...

Do Freud empunha a bandeira!
Ai de quem disser que psicanálise é besteira!

Vê comédia simplista, mas seu sonho mesmo
era da Audrey Hepburn ser a psicanalista.
Andar daqui para ali, tomar café na frente da Tiffany
e usar modelos de Givenchy.

Acaba-se nos filmes clássicos, assiste-os do meio dia as sete.
E na hora do intervalo, pita uns cigarrinhos com a Bette. (Davis, claro...)

E delira...
Do fim pro começo e do começo pro meio!
Gosto de bailar com ela, ao som de "Crazy" num devaneio...

Nosso amor é assim,
preto e branco com carmim.
É paixão que ninguém aparta!
E na mais profunda garrafa de gim
seremos sempre George e Martha(Who's Afraid of Virginia Woolf).

Vinny Valcanaia


P.S. Poesia feita em minha homenagem, por um grande amigo! Adoro!

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Cynthia Ann Stephanie Lauper Thornton!











Cynthia Ann Stephanie Lauper Thornton... o patinho feio? Simplesmente Cyndi Lauper, minha musa de infância. Eu  queria ser ela aos 11 anos! Quando passava "The Goonies" na tv era audiência garantida em casa. Esse gosto carrego até hoje, menos o apreço pelo filme claro...até porque já perdeu a graça e o sentido( se passar na Sessão da Tarde eu assisto) Mas Cyndi, para mim, ainda arrasa!

The Goonies

Aqui estamos
se equilibrando nas cordas verdes e azuis
Se a corrente se quebrar, nós nos acabamos
Oh, só será real se você sentir
Expectativas não ditas
Ideais com os quais você costumava brincar
Agora finalmente tomaram forma

O que é bom o suficiente pra você
é bom o suficiente pra mim
É bom o suficiente
É bom o suficiente pra mim
sim, sim, sim, sim, sim

Agora você diz
Que está começando a sentir a pressão
do que poderia existir, mas que nunca existirá
Você se espelha em mim tropeçando em todas
aquelas antigas superstições
que eu acho difícil de me desvencilhar 
Oh, talvez você esteja se sentido deslocado

O que é bom o suficiente pra você
é bom o suficiente pra mim
É bom o suficiente
É bom o suficiente pra mim...

página oficial: http://www.cyndilauper.com/intro.html

Discografia
1980 - Blue Angel: 60 mil
1983 - She's So Unusual: 20 milhões
1986 - True Colors: 16 milhões
1989 - A Night To Remember: 9 milhões
1993 - Hat Full Of Stars: 2 milhões
1994 - Twelve Deadly Cyns... And Then Some: 14 milhões
1996 - Sisters Of Avalon: 2,5 milhão
1998 - Merry Christmas ... Have A Nice Life: 1 milhão
2003 - At Last: 2,5 milhões
2004 - Shine (Somente no Japão): 250 mil
2005 - The Body Acoustic: 300 mil
2008 - Bring Ya To The Brink: cerca de 1 milhao (até o momento) by Wikipedia.

http://br.youtube.com/watch?v=Tqf9PuKi63E

Afinal, as garotas só querem se divertir...

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Dignos!






Super vanguarda. Achei digno os picumãs...o primeiro fica perfeito para uma ida ao cinema. Descontraídos e discretos, Glória Kalil aprovaria. Casamentos, formaturas e bailes de debutantes. Arrasa!

peça já para o seu cabeleireiro!

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

penso em amar.


Suspiras e suspiras
Os belos anseios do amor
O bem que dele tiras
Amar sempre deveras

São tolos os que amam
Tolice encantadora
Sejamos tolos dessa peste acolhedora
Doenças dessas que encantam

Vagueias e vagueias
procuras e não encontras
Há de vir um dia a sua porta
Bate e não notas
Quando olhas se espanta!



P.S. Encontrei nos meus escritos de infância esse pequeno poema. Tinha uns 12 anos quando o escrevi. Eram tempos em que eu entendia muito sobre o amor,  hoje já não sei de mais nada. Dramática la chica não?rs

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

desconexos.


Estranhos abraços afetos amigos me pega me toca  me morde na parede me lambe me chupa sou isso aquilo sou sua beija molha goza me arrasa curte fuma bebe poetiza me come humilha bate e marca me entenda sem vergonha seja assim respeita e maltrata loucura razão paixão sexo desespero tesão intenso mau- humor piada namore se case libertino traia fetiche não morra te odeio em brasa me afaga chore me ame choro me domestique engane te engano cheiro saboreie me deguste meio avesso morno meio fino cansaço defeito charme perder carícia beleza céu paraíso inferno beleza dor e perda lasciva na cama gemido sussurro grito champagne rolar com você chic no chão bizarro nua que se dane comum espelho alma perversão sem fôlego longe humano junto grudados sujos instante queres poder sodomia sádico vergonha falar acontecer fazer bem feito tempo no fim acordar continuar longe abstrato paraíso.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Adeus Waldick!!!!



Eu não sou cachorro, não

Pra viver tão humilhado
Eu não sou cachorro, não
Para ser tão desprezado

Tu não sabes compreender
Quem te ama, quem te adora
Tu só sabes maltratar-me
E por isso eu vou embora.

A pior coisa do mundo
É amar sendo enganado
Quem despreza um grande amor
Não merece ser feliz, nem tão pouco ser amado

Tu devias compreender
Que por ti, tenho paixão
Pelo nosso amor, pelo amor de Deus
Eu não sou cachorro, não!

Auuuu, Auuuuuu

hasta la vista Waldick Soriano...

P.S. Eu não sou cachorro não. Mas eu posso morder, latir e fazer xixi no jornal.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

ir.



eu tento.



Juro.


Eu quero.


Nunca me canso.


Canso.


Eu sigo.

vou.


Não paro.



continuo


Estou indo.


Acompanha-me?