quinta-feira, 30 de julho de 2009

Única

Eu gosto de estar só.
Gosto da minha companhia,
de como vou longe com os meus pensamentos.
Gosto de ouvir as vozes e o silêncio que ecoam dentro do que eu chamo de eu.
Eles e eu, numa sintonia desajeitada, num mundo à parte.
Solidão. Essa é pior quando se está rodeado de pessoas, corpos ambulantes e alheios.
Solidão numa conversa fiada, num sorriso amarelo, olhar vago.
É o tal do estar e não fazer parte.
Gosto do emaranhado de coisas, cacos e restos no baú de minha memória, e como tem assunto lá!
Gosto de cada imagem, cada sentimento. Das recordações mais felizes, ao amargor dos tempos difíceis.
E a cada vez em que me encontro sozinha, durante horas a fio, mais percebo quem eu sou.
E sabe, gosto desta pessoa.
De uma forma geral e honesta...
gosto do bem e do mal, do certo e do errado, também do duvidoso.
Por mais que eu relute em certas coisas, ainda assim, esses pedaços não tão quistos, talvez, eles também sou eu.
Se me perguntassem agora,
se por algúm milagre ou eventualidade, daquilo que se acredita ser o tal destino,
eu pudesse escolher ser outro.
Eu, da forma como sou e me concebo,
pudesse por ventura ser uma outra pessoa...
Eu diria enfaticamente, indubitavelmente, e todos os ''mentes'' possíveis usaria para dizer que não, não quero ser outra.
Não, eu gosto do que sou.
Daquilo que me tornei.
É desse negócio que mais gosto, daquilo que posso chamar de identidade.
Singular.
Meu único eu.

Bibi

3 comentários:

littlegiraffe... disse...

triste são aqueles que tem muitos eu's, cada um dependente de seres exteriores diferentes.

Viva os seres de um eu só :D

ândria Halfen, disse...

AMEI!

Srt.Ca disse...

Não sei dizer se normalmente as pessoas se identificam tanto, seja lá como for eu sou um pouco disso ai.Incrivelmente sou mesmo!